quarta-feira, 31 de agosto de 2011

A GARGALHADA DO DIA

O presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, disse hoje não estar surpreendido com as notícias de "novos buracos" financeiros e disse que "vai ser assim" até às eleições regionais de 9 de Outubro.

Em declarações produzidas na ilha do Porto Santo, onde se encontra de férias, Alberto João Jardim salientou não haver "um novo buraco", como foi hoje noticiado citando a Comissão Europeia, no valor global de 500 milhões de euros.

"Já se sabe qual é o montante da dívida, só que a estratégia é dar os números às pinguinhas e vai ser assim durante o mês de Setembro", disse.

"O que se está a passar foi aquilo que já avisei o povo madeirense: é mobilizar-se a comunicação social do continente, mobilizar-se, agora, até neste caso, os próprios sectores da União Europeia que são afectos à Internacional Socialista e que estão a trabalhar neste grupo da 'troika', a Maçonaria mobilizou tudo quanto podia em termos de utilizar este período para atacar a Madeira".

DN

CRIATIVIDADE

A criatividade dos publicitários e dos yupies do marketing, tal como o buraco orçamental da Madeira, não tem limites. Hoje, descobri esta e gostei:

"Andante Social+"

Para os ignorantes, em geral, e para os do sul, em particular, aqui fica o esclarecimento: o "Andante Social (Mais!)" é um passe social portuense destinado a 'Famintos & Associados' e a empresários pobres despedidos pelo trabalhador Américo Amorim.

"Andante Social+".
O eufemismo perfeito para rebaptizar a pobreza. Bem 'desarrincado'!

PROMETER E CUMPRIR

O eleitorado ouviu as promessas dos rapazes. Gostou, certamente, dado que lhes deu o conforto de 2.500.000 votos.
E os rapazes não decepcionam os crentes. Estão a cumprir:
«O Governo pretende reduzir o número de trabalhadores da administração pública num número superior ao previsto no acordo com a troika Comissão Europeia-BCE-FMI.» (Público)

terça-feira, 30 de agosto de 2011

REFUNDAR OU REFUNDER?

Os dois rapazes que se apresentaram como candidatos à sucessão do filósofo oculto prometeram refundar o PS.
Houve quem os acreditasse e julgasse chegado ao fim o longo ciclo da aldrabice institucionalizada. Puro engano. O PS continua igual a si próprio, como se pode conferir pela notícia do 'Público':

PS recua no pedido de audição de Silva Carvalho

Por Sofia Rodrigues

PCP e BE não se conformam com a "fragilidade" do Parlamento ao não acederem ao relatório das secretas e querem mudar a lei


Continuamos, pois, com um partido por refundar e com um país bem refundido...

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

DE OUTROS


«O "protocolo de colaboração" celebrado no final da semana passada entre a Assírio & Alvim e a Porto Editora pode ser uma benéfica operação, mas revela publicamente uma verdade terrível: que uma editora não consegue hoje sobreviver pelos seus próprios meios se o núcleo central do seu catálogo é a literatura portuguesa - mesmo que seja uma parte razoável do cânone do século XX. Pensar que o famigerado mercado ameaça de extinção os livros de Fernando Pessoa, é pura e simplesmente obsceno.»

António Guerreiro

EXPRESSO

domingo, 28 de agosto de 2011

UM IMENSO ADEUS


DE OUTROS

"Vou tão somente falar de uma pessoa: Aníbal Cavaco Silva. Que foi primeiro-ministro deste país quando entraram vagões de dinheiro e nunca o ouvi dizer 'Este dinheiro tem que ser pago'! Quando era primeiro-ministro, a nossa agricultura foi vendida a pataco, as nossas pescas foram vendidas a pataco, a nossa indústria quase desapareceu (...) É tão fácil bater em Guterres, em Santana Lopes, em Durão Barroso ou em Sócrates. Não quero centrar-me numa pessoa e dizer 'Eis aqui o bode expiatório disto tudo', pretendo é alertar os portugueses que têm esta tendência para ter um paizinho, só que precisamos é de ter um paizinho sério. E merecemos mais do que este homem, que foi primeiro-ministro e que é Presidente da República!"
Carlos do Carmo
DN

sábado, 27 de agosto de 2011

ON GOING PARA O SOCIALISMO DE FACE OCULTA


«Depois de várias contratações polémicas, do ex-homem forte da TVI, à mais recente controvérsia, que rodeou o ex- -director do SIED (Serviço de Informações Estratégicas e Defesa), Silva Carvalho, a Ongoing foi agora buscar dois homens-chave do governo de José Sócrates. A contratação do ex-secretário de Estado do Tesouro e do ex-chefe de gabinete do primeiro-ministro, avançada pelo jornal "Sol", não mereceu comentários oficiais da Ongoing.»

«I»

NOTÍCIAS DA PIOLHERA

Ministra queixa-se à PGR de
negócio com tribunal da Maia

Prédio alugado custa13,7 milhões de euros e desagrada à Câmara e a magistrados. Governo também não o quer

O contrato de arrendamento entre o Instituto de Gestão Financeira e Infraestruturas da Justiça e a Nova Casa SA foi assinado na véspera da
posse do atual Governo. Em dezembro, o senhorio temia que “uma mudança de maioria” não fosse “favorável” ao negócio. Paula Teixeira da
Cruz tem “fundados receios sobre a adequação legal das decisões tomadas e dos procedimentos
seguidos”.
EXPRESSO

NOTÍCIAS DA PIOLHERA


sexta-feira, 26 de agosto de 2011

DE OUTROS



«Não há nada semelhante a um povo derrotado»

Arthur Miller

UM IMENSO ADEUS



A GARGALHADA DO DIA

« Alberto João Jardim, que continua a ter o apoio dos madeirenses e é responsável por uma obra extraordinária, é muito injustiçado. Jardim é a personagem política contra quem se fizeram as campanhas mais ferozes em Portugal.»

Carlos Abreu Amorim

SOL

NOTÍCIAS DA PIOLHERA



"Há uma máfia portuguesa que tem gente de Leste, tem gente brasileira, tem gente africana, tem gente dos mais variados sítios do resto da Europa, tem gente do Oriente e do resto do mundo. E todos têm as suas actividades mais ou menos camufladas no País e de características diversas".

Maria José Morgado
DN

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

112 ANOS


É FARTAR, CAMARADAGEM!

('Sábado')

UM IMENSO ADEUS


AO VIVO E A CORES

Chávez só reconhece governo de Kadhafi e fala de uma "guerra de cães"


«I»

Líbia: Pyongyang mantém 200 norte-coreanos no país

Cerca de 200 norte-coreanos continuam a trabalhar na Líbia ao fim de cerca de seis meses de conflito, uma decisão de Pyongyang para evitar que divulguem notícias sobre as revoltas árabes na Coreia do Norte, noticiou a Yonhap.

Diário Digital

DE OUTROS

«Começou a dizer-se, à boca pequena, que o circunspecto Seguro se encafuara num gabinete do Largo do Rato, folheando dossiês sobre dossiês, a fim de se preparar para a abertura das hostilidades com Passos, e aceitando o martírio para conquistar a glória. Outros sussurravam que se encontrava, em sigilo, com Mário Soares, para receber lições de como ser astuto sem o demonstrar, e justiceiro com a displicência de um felino.

A mortificação de Seguro tinha razão de ser. E a procura de ajuda espiritual era um forte esteio. Os embates que tivera com Passos haviam-se saldado por melancólicos desaires. E os avanços, os projectos, as decisões, as propostas, os decretos, as leis em catadupa, insinuosamente expostos ou claramente apresentados pelo presidente do PSD desorientavam o adversário.

Que fazer? A leninista interrogação obtinha respostas dúbias. Pouco mais do que ter birras restava a António José Seguro. O seu partido assinara um memorando draconiano e mandam as regras do bom nome que os compromissos se respeitem. Não será bem assim, tanto mais que Passos tem-se adiantado ao que foi estipulado, excedendo a combinação. O Governo comete injustiças das mais bravas e dolorosas e o PS de Seguro está desaparecido sem combate. Como se diz num velho samba: "ninguém sabe / ninguém viu" o que é feito desta gente. Ao menos um arrobo de protesto, um gesticular de indignação, por modesto que fosse. Nada. E o PSD aproveita todas as oportunidades para aparecer, seja nas praias algarvias, seja em declarações absurdas mas úteis para a "visibilidade." O dr. Relvas até foi à Colômbia, apoiar moralmente a selecção de subvinte, enquanto o PS nem um ramo de rosas pálidas enviou como congratulação de "sermos" vicecampeões.

Onde estará Seguro? Onde se esconde o PS? Paralelamente tristes, votam-nos a uma melancolia atroz, que nem a satisfação provocatória do Governo consegue amenizar. Claro que nada disto é eterno ou estável. Porém, a cada dia que passa perdemos um sonho, uma réstia de esperança, um pequeno gomo de fé, uma fatia de confiança.»

Baptista-Bastos

DN

NOTÍCIAS DA PIOLHERA

« O ministro dos Assuntos Parlamentares, que tutela o Desporto, anunciou esta tarde que, nos últimos dois dias, descobriu facturas não contabilizadas no Instituto do Desporto de Portugal no valor de 6 milhões e 780 mil euros. O caso será averiguado pelo Tribunal de Contas e Ministério Público.
Em apenas cinco minutos e na sua primeira intervenção na Comissão de Educação, Ciência e Cultura (a sua presença tinha sido requerida pelo PS), Miguel Relvas admitiu ter ficado “surpreendido” por ter descoberto “nas últimas 48 horas” que o Instituto do Desporto de Portugal (IDP) não contabilizou um vasto conjunto de facturas desde 2004.

“São facturas que não existem na transição de pastas, nem na contabilidade. Só em 2010 são 45 facturas e em 2011 625 facturas. Não é normal, nem aceitável que um instituto público tenha facturas não contabilizadas no valor de 6 milhões e 780 mil euros”, explicou.»
PÚBLICO

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

25 ANOS


UMA CIMEIRA DE CANALHAS

Khadafi é um canalha cujo reinado está a chegar ao fim.
Para isso, o empenho da NATO foi decisivo.
Será que a NATO vai continuar a apear todos os canalhas que se encontram no poder? Se sim, vai ter muito trabalhinho... A menos que aproveite uma nova cimeira Europa-África, em Lisboa, para os prender todos de uma vez e sem necessidade de tiros. E quando digo todos refiro-me aos africanos e aos europeus, obviamente.

SANTIDADE

«Dava a cara pelo banco e era a personificação de um banqueiro de sucesso. Mas João Rendeiro diz agora que não mandava no Banco Privado Português. Garantem-no os seus advogados, que responsabilizam os executivos pelas infracções detectadas pela Comissão de Mercado de Valores Mobiliários.

O ex-banqueiro dos ricos tem na cabeça uma data a partir da qual - argumenta - ninguém pode apontar-lhe culpas: Maio de 2005. Foi quando deixou de fazer parte da Comissão Executiva do banco que entrou em colapso e lesou quase seis mil clientes. Quer dizer, a partir daí passou a ser apenas "presidente do Conselho de Administração" - não tendo interferência na gestão "corrente" do banco dedicado à gestão de fortunas.»

JN

DE OUTROS

O exemplo de Garzón

A SIC transmitiu uma impressionante entrevista ao juiz Baltasar Garzón, que há trinta anos simboliza a luta da justiça contra o terrorismo, o narcotráfico, a corrupção e investigou os crimes de Pinochet e Franco.

Garzón é ali um homem acossado, que explica a perseguição que lhe fizeram a partir do momento em que se atreveu a investigar um escândalo de corrupção que envolve sectores do PP. Em pouco tempo, foi afastado da magistratura por um conselho do poder judicial altamente politizado. O seu caso é um exemplo do que não pode acontecer. Mas se nos lembramos do que ocorreu em casos como o Freeport ou a Face Oculta percebe-se que também por cá há quem saiba que controlando as cúpulas tem mais hipóteses de controlar as bases.
Eduardo Dâmaso
CM

domingo, 21 de agosto de 2011

SEJA PATRIOTA - COMPRE PRODUTOS PORTUGUESES


Facilidade fiscal, mas não só, atrai grupos portugueses para a Holanda

Por Ana Rute Silva, Inês Sequeirae João Ramos de Almeida

Maioria das empresas do principal índice da bolsa criaram sociedades gestoras de participações sociais em Amesterdão, Luxemburgo e Dublin, que, de acordo com especialistas, trazem vantagens fiscais


PÚBLICO

sábado, 20 de agosto de 2011

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

"O MOMENTO DE SE CORRER ATRÁS DAS BURLAS"

Após investigação em caso de burla

Presidente da distrital de Beja do CDS demite-se

Sílvia Ramos, líder do CDS-PP em Beja, demitiu-se de todas as responsabilidades políticas no distrito na sequência de uma investigação que envolve uma empresa da qual é responsável num caso de burla.

A notícia, avançada pela SIC, revela que vários pequenos empresários em todo o país acusam de burla Pedro Xavier Pereira, através da empresa Megafinance.

No Alentejo, a Megafinance terá sido divulgada em encontros do CDS-PP, em Vila Nova de São Bento, no distrito de Beja. Já em Évora, durante a campanha eleitoral, o candidato do partido visitou a panificadora administrada pelo presidente da Megafinance e da qual Sílvia Ramos é gerente.

A responsável é apresentada como o 'braço' da Megafinance na panificadora, e admite ter aconselhado os serviços da consultora a dois empresários.

Esta não é a primeira vez que Sílvia Ramos se vê envolvida em polémica. Pouco tempo após a vitória do PSD e da coligação com os populares para formar Governo, a presidente da distrital de Beja afirmava numa entrevista, dirigindo-se aos militantes, que era “o momento de se correr atrás de lugares”.

CM

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

CAMARADA (MAS POUCO...)

Strauss-Kahn: relatório médico confirma que camareira foi violada

A notícia é avançada pela revista francesa 'L'Express', que cita o relatório de um hospital nova-iorquino. Advogados do ex-diretor do FMI contestam documento.

EXPRESSO

terça-feira, 16 de agosto de 2011

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

75 ANOS

O que teria acontecido se Lorca tivesse escolhido outro título para "A Casa de Bernarda Alba"? É uma especulação. Mas o seu assassínio, diz um historiador, terá mais a ver com uma guerra de famílias da Vega de Granada do que com razões políticas

Federico García Lorca foi assassinado na madrugada de 17 de Agosto de 1936, junto de um posto militar improvisado em Víznar, arredores de Granada. Faz 75 anos na quarta-feira. É um dos episódios mais obscuros da Guerra Civil Espanhola. A novidade é que a investigação histórica começa prevalecer sobre as lendas. Sabemos agora os nomes dos executores, de presumíveis mandantes e parte das circunstâncias do crime.

É uma história trágica e sórdida. "Para entender o assassinato de García Lorca temos de remontar aos seus antecedentes familiares no século XIX", escreve o historiador Miguel Caballero Pérez. "Não houve uma só razão. Foi uma concatenação de causas que deu lugar ao assassinato." Muitos dos crimes da Guerra Civil "tiveram a sua origem em desavenças privadas, estranhas a posicionamentos políticos, maceradas na cuba dos ódios e das vinganças familiares."

A pista dos ódios entre clãs da Vega de Granada foi documentada por Manuel Caballero Pérez e Pilar Góngora em "Historia de una família: la verdad sobre el assassinato de García Lorca" (Ibersaf Editores, 2007). Em Junho passado, Caballero publicou "Las trece últimas horas en la vida de García Lorca" (Esfera de los Libros), em que reconstitui a morte do poeta. "Não nos baseámos nos relatos da tradição oral, que apresentam sempre pequenos erros, mas em documentos absolutamente autenticados", diz.

«Público»

CRIME DE LESA-PÁTRIA

«A Direcção Regional de Cultura do Alentejo abandonou, no ano passado, um projecto de salvaguarda do património imaterial e oral que foi considerado de "grande relevância" pelo Instituto dos Museus e da Conservação e que tinha um financiamento europeu de 878 mil euros praticamente garantido.
A decisão, que nunca foi assumida publicamente nem tem qualquer despacho a formalizá-la e a justificá-la, foi tomada nos primeiros dias de 2010 pela actual directora regional, Aurora Carapinha, pouco depois da sua nomeação.

O projecto, conhecido pelo nome de Identidades, prendia-se com a inventariação, valorização, promoção, divulgação e transmissão de saberes e tradições relacionados com o cante alentejano, as artes do espectáculo, as práticas alimentares e outros aspectos marcantes da identidade alentejana. Concebido pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo (DRCA), em articulação com muitas autarquias e outras entidades, foi objecto de uma candidatura ao Programa Operacional do Alentejo (Inalentejo), financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (Feder), em Junho de 2009.

A proposta contemplava um investimento total de 1.254.480 euros, em 2010 e 2011, dos quais cerca de 878 mil seriam pagos pelo Feder e 376 mil pelo Orçamento do Estado.

Antes da apreciação da candidatura, o Instituto dos Museus e da Conservação, através do director do Departamento do Património Imaterial e da então subdirectora Clara Camacho, emitiu um parecer obrigatório, que representa a posição do Ministério da Cultura, onde se afirma que "o projecto é de grande relevância para o enriquecimento do panorama patrimonial nacional". O parecer diz também que a iniciativa "se reveste de grande pertinência patrimonial e relevância técnica e científica" e apresenta um carácter "claramente inovador", com "possibilidade de replicação". Além disso, atesta que "a Direcção Regional de Cultura do Alentejo reúne todos os requisitos técnicos e financeiros indispensáveis à boa prossecução do projecto".»
Público

sábado, 13 de agosto de 2011

DE OUTROS

EXPRESSO

CENTENÁRIOS


UM IMENSO ADEUS


(Clicar no texto para ampliar)

PURA COINCIDÊNCIA

Coincidência, pura coincidência. Interrompi a leitura do soberbo romance «HHhH», de Laurent Binet, prémio Goncourt 2010 para o primeiro romance e prémio dos leitores 2011 (em França, já se vê), para ouvir e ver o telejornal da TVI que, ontem, antecedia a transmissão do jogo do Benfica (não falemos do resultado que a vida é curta e dá-nos muitos desgostos...).
E eis senão quando Sousa, a Judite de, aparece na pantalha a entrevistar Paul Thomsen, o chefe dos fiscais da 'Troika' e, pouco depois, Gaspar, o Vítor das Finanças. Por esta ordem, com respeito, pois, pelas hierarquias, que isto do respeitinho é coisa muito bonita, como sabemos desde os tempos do hortelão de Santa Comba.
Ah! já me esquecia: o livro cuja leitura interrompi por duas horas e meia fala-nos da conspiração da resistência checoslovaca para eliminar o "Reichprotektor", Reinhard Heydrich, homem forte das SS, protegido e potencial sucessor do "Fuher" Adolf Hitler, nomeado três anos depois do vergonhoso Pacto de Munique para 'vice-rei' do protectorado da Checoslováquia.
Bom, entretanto, o noticiário acabou, o Benfica perdeu dois pontos e eu vou retomar a leitura. Espera-me o capítulo 202 que trata da indestrutível amizade entre o polícia de Vichy, o famigerado René Bousquet, e o camarada e 'mon ami Mitrã'...
Deste capítulo, darei notícias.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

NOTÍCIAS DO REGIME DE VICHY

Troika liberta a 2ª tranche e diz que "este ano não há mais aumento de impostos"


«I»