terça-feira, 28 de janeiro de 2020

PRINCESAS E RATAZANAS - O ESGOTO NO SEU ESPLENDOR

"Claro que a “princesa de África” agora tem razões para se sentir traída e abandonada. Julgou que o dinheiro também comprava lealdades e solidariedades, sempre e entre pares, e está a descobrir por si que não existe tal coisa como ser-se alguém sem escrúpulos na prosperidade e ser-se também um cavalheiro na adversidade. Uma vez sem princípios, sempre sem princípios. Concordo que ver o seu auditor de todos estes anos, o cavalheiro da PwC, declarar-se “desiludido” consigo deve meter nojo a uma ratazana. Ver Davos desconvidá-la, depois de se ter feito pagar bem pelo convite que lhe havia feito para intervir na qualidade de grande empresária internacional, mostra bem o estofo moral da elite do mundo. Ver o seu próprio banco, cúmplice nos seus desvios de fundos de dinheiro de Angola para o seu bolso, vir agora “cortar relações comerciais” com as suas empresas, continuando todos sentadinhos nos seus lugares lá no banco, prova que há gente que nem de si própria tem vergonha. Mas é a gente dela, é o mundo dela, são os valores dela. São os guardiões do mais desprezível dos bezerros de ouro: o dinheiro sujo que todos eles sempre souberem ser o dela. Dinheiro roubado a angolanos que morreram por falta de medicamentos nos hospitais, que morreram de fome num país com condições para alimentar de sobra toda a sua gente, que viveram miseráveis todos estes anos, sugados por um regime afogado em lençóis de petróleo e diamantes, cujas receitas, durante anos a fio, nem sequer entravam no Orçamento do Estado. Iam directamente para os bolsos da “grande família”, dos generais e da clique que em Luanda os apoiava, sobrando abundantes restos para os que, em Portugal e não só, lhes forneceram o indispensável know how financeiro, bancário, jurídico e organizativo para se transformarem de salteadores de estrada em respeitáveis empresários internacionais com entrada garantida em Davos."

Miguel Sousa Tavares
Expresso

CHEGOU!


SUGESTÃO


Na noite de 13 de Dezembro de 1943, Primo Levi, um jovem químico membro da resistência, é detido pelas forças alemãs. Tendo confessado a sua ascendência judaica, é deportado para Auschwitz em Fevereiro do ano seguinte; aí permanecerá até finais de Janeiro de 1945, quando o campo é finalmente libertado.
Da experiência no campo nasce o escritor que neste livro relata, sem nunca ceder à tentação do melodrama e mantendo-se sempre dentro dos limites da mais rigorosa objectividade, a vida no Lager e a luta pela sobrevivência num meio em que o homem já nada conta.
"Se Isto é um Homem" tornou-se rapidamente um clássico da literatura italiana e é, sem qualquer dúvida, um dos livros mais importantes da vastíssima produção literária sobre as perseguições nazis aos judeus.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

MERCADO DE INVERNO



O Sportem não consegue vender o médio Bruno Fernandes ao Manchester, mas lá vendeu o extremo direito Chicão a um clube da segunda divisão nacional, o CDS.

ENA TANTOS




EuroBic só tinha dois funcionários a tempo inteiro para controlar lavagem de dinheiro

Expresso

CRISE NA LAVANDARIA

O dominó angolano ainda mal começou a cair

É cruel lembrar, mas não deixa de ser verdade, que estas aplicações do dinheiro extorquido de Angola eram barradas noutros países europeus (…) Ser pago em dinheiro angolano passou a ser uma das etiquetas de muita da elite portuguesa.

Francisco Louçã

domingo, 26 de janeiro de 2020

CDS - O PERCURSO DA DECADÊNCIA






A FONTE



A PONTE



A OUTRA MARGEM

CDS

"Falhei o resultado." 

Assunção Cristas

Falhou mesmo. Sonhou ser primeira-ministra e acabou como condutora de tuk-tuk.

DEVAGAR, DEVAGARINHO E PARADO

EuroBic ainda não cumpriu todas as ordens do Banco de Portugal de 2015

Contraordenação contra EuroBic continua sem desfecho. Banco tem 17% das recomendações do supervisor por cumprir. Participação de Isabel dos Santos no banco à venda em contexto turbulento

 O EuroBic está envolvido num caso em que pode ter havido falhas na prevenção no branqueamento de capitais, mas isso não é inédito. Em 2015, houve outra situação idêntica, que continua por resolver. O Banco de Portugal tem um processo de contraordenação contra o banco por finalizar. (Expresso)


sábado, 25 de janeiro de 2020

Hallo, Dummkopf, sieh Dir den Ballon an






There you go again, Bernie

Título da crónica de Daniel Oliveira no Expresso

SIMPLESMENTE NAZI

Bolsonaro diz que índios estão a tornar-se “seres humanos como nós”

Comentários foram proferidos numa das transmissões em directo que o Presidente brasileiro tem o hábito de fazer para debater os assuntos da semana. Articulação dos Povos Indígenas do Brasil diz que vai apresentar queixa por racismo.
Público

O VENTURA BRASILEIRO

O nazi brasileiro que é nazi sem querer


O tolito pôs-se ares Goebbels, montou uma cena com imagens e música de fundo como nos discursos de Goebbels e falou como se fosse Goebbels. Tanto, que havia frases plagiadas de um discurso de Goebbels, em 8 de maio de 1933. E não foi intencional...
Dois dias depois do discurso de Goebbels, nas universidades alemãs começou a queima de livros dos escritores excomungados. Centenas deles, Thomas Mann, Walter Benjamin, Robert Musil, Erich Maria Remarque, Freud... Perderam eles - mas sobretudo, como disse Caetano Veloso, perdemos nós.
Ferreira Fernandes (DN)

A POLÍCIA DO 'CHUNGA!'

Há seis queixas por semana contra polícias
Os dados mais recentes da Procuradoria-Geral da República revelam que foram abertos 324 investigações no Ministério Público relativas a mau comportamento policial (Expresso)

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

"LEGÍTIMO", DIZ O SUB-FASCISTA VENTURA

Ventura diz que atuação da PSP foi legítima e fala em "paranoia do racismo" no caso de mulher que acusa polícia de agressão

O EXPECTÁVEL CAMINHO DO VENTUROSO 'CHUNGA!'



Chispe ante chispe, a vara do venturoso 'Chunga!' lá vai fazendo o seu caminho. Primeiro, foram os ciganos, agora, são os pretos. E os judeus que se cuidem porque não vão perder pela demora.

SÓ AVISAR NÃO CHEGA



Marcelo Rebelo de Sousa: “Algum populismo não quer aprender nada com o Holocausto”

Expresso

LIVRE




Do espectáculo indecoroso que o Livre anda a dar, já só me interessa o guarda-roupa do assessor de imprensa da deputada Joacine.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

A ISABELINHA DOS OVOS

A QUE BARALHO PERTENCERÃO ESTAS CARTAS?

Veja a resposta aqui: https://www.esquerda.net/dossier/quem-sao-os-ex-governantes-portugueses-nos-negocios-angolanos/65496

OS CANÍDEOS DE RAÇA LUSITANA

Há pessoas que têm a consciência tranquila neste assunto. Nomeio duas de que não sou politicamente próximo: Ana Gomes e Francisco Louçã. Há outras que não a podem ter. E não refiro apenas aqueles que podem ser cúmplices de ilegalidades, mas também os que sabiam e calaram. E nesses, salvo raras e honrosas exceções, estão quase toda a classe política, grande parte da classe empresarial e boa parte da classe jornalística.
No meu julgamento, que pode ser excessivamente implacável, poucos escapam. Em termos de direções partidárias, só o Bloco de Esquerda foi consistente na Oposição à vergonha de Angola. Inúmeros jornalistas, dos mais antigos, que vêm comentar a excelente investigação levada a cabo pelo Expresso (Micael Pereira) e a SIC (Luís Garriapa) em conjunto com o Consórcio Internacional, falaram sempre de Angola como se de um país normal se tratasse. Aplaudiram os investimentos dos seus cleptocratas como se não conhecessem os vários desmandos e tráficos, como, por exemplo, o do francês Pierre Falcone, condenado pela justiça do seu país, perante os protestos do Governo de Luanda; ou a proibição de circulação de dinheiro angolano em bancos e mesmo em países mais decentes do que o nosso. Pelo contrário, faziam rapapés.
Henrique Monteiro (Expresso)