terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

A SAGRADA FAMÍLIA

CM

A TRAGÉDIA E A FARSA


Nas livrarias
Il y a une centralité du Führer à laquelle l'historien ne peut échapper, avec laquelle il doit se colleter. 
Démagogue de premier ordre, comédien tout à fait doué qui préparait minutieusement ses prestations, pratiquant à merveille l’art de la dissimulation, qui lui permit constamment de tromper partisans comme adversaires sur ses intentions, doué d’une capacité d’appréhender et d’exploiter en un éclair les situations favorables, Hitler se montra bien supérieur à tous les concurrents de son propre parti, mais aussi à tous les hommes politiques œuvrant dans les partis bourgeois. Son style d’exercice de pouvoir, singulièrement improvisé et personnalisé, qui provoqua des conflits de compétence durables et une anarchie des services et des attributions, était une méthode, maniée avec raffinement, visant à rendre de fait inattaquable sa propre position de pouvoir. 


Na Casa Branca
Il y a une centralité du Führer à laquelle l'historien ne peut échapper, avec laquelle il doit se colleter. 
Démagogue de premier ordre, comédien tout à fait doué qui préparait minutieusement ses prestations, pratiquant à merveille l’art de la dissimulation, qui lui permit constamment de tromper partisans comme adversaires sur ses intentions, doué d’une capacité d’appréhender et d’exploiter en un éclair les situations favorables, Trump se montra bien supérieur à tous les concurrents de son propre parti, mais aussi à tous les hommes politiques œuvrant dans les partis bourgeois. Son style d’exercice de pouvoir, singulièrement improvisé et personnalisé, qui provoqua des conflits de compétence durables et une anarchie des services et des attributions, était une méthode, maniée avec raffinement, visant à rendre de fait inattaquable sa propre position de pouvoir. 

OS SEGREDOS DA JUSTIÇA

Juiz Rui Rangel vai decidir novo recurso de Sócrates


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

GUERRA COLONIAL (FEVEREIRO 1961 - ABRIL 1974) - O CRIME CONTINUADO

SUGESTÃO


O INCÊNDIO DO REICHSTAG (VERSÃO PARA RATOS DE ESGOTO)

Trump inventa ataque terrorista na Suécia e culpa imigrantes
Segundo Donald Trump, na passada sexta-feira à noite houve um ataque terrorista na Suécia. A questão é que não houve um ataque terrorista na Suécia.
Num discurso proferido este sábado na Florida, o presidente dos Estados Unidos da América, declarou: "Vejam o que está a acontecer na Alemanha, vejam o que aconteceu ontem à noite na Suécia. Suécia! Conseguem acreditar? Suécia! Eles acolheram um grande número [referindo-se a imigrantes e refugiados] e estão a ter problemas como nunca pensaram ser possível".
A falsa informação propagou-se rapidamente no Twitter, onde o ex-primeiro-ministro sueco Carl Bildt escreveu: "A Suécia? Um atentado? O que é que ele fumou?".
JN


domingo, 19 de fevereiro de 2017

A CRÍTICA QUE ANTECEDEU A 'OBRA'



SIMPLESMENTE CAVACO

LER (OU RELER):
http://aditaeobalde.blogspot.pt/search?q=simplesmente+cavaco

O TRUMPISMO EXPLICADO AOS LUSO-TRUMPISTAS


"Mas o facto é que, nos tempos que correm - e mais nos que aí vêm -, não nos podemos dar ao luxo de ser esquisitos com aqueles que mais se aproximam dos nossos ideais, que os representam ou que menos se afastam deles. Podem não ser, e às vezes não são, as mais estimáveis criaturas do globo, nem as mais próximas dos padrões de respeitabilidade cristã e cívica; serão até seres básicos, contraditórios, com vidas ou passados complicados, só que as escolhas em política são quase sempre escolhas entre dois inconvenientes. É daqui que vem a história do "mal menor", que foi, é e será a triste sina da direita portuguesa - e de outras direitas europeias, condenadas durante muitos anos a opções que vão enfraquecendo a sociedade e o país no seu vagaroso mas inexorável caminho para a decadência.
Ora a eleição de Trump - como antes o brexit - representa uma reacção, talvez não muito estruturada, e com certeza pouco sofisticada, mas apesar de tudo uma reacção contra essa decadência, contra a rendição sem batalha e em nome dos incertos dogmas de duvidosa origem que vieram com o celebrado "fim da história". É uma reacção encabeçada por alguém de quem não se esperaria tal, um multimilionário de Queens, sem formação política ou ideológica, uma "celebridade" com fortuna oriunda do imobiliário e da hotelaria. Difícil de engolir para intelectuais e académicos, mesmo de direita."
Jaime Nogueira Pinto
DN

EURO-TRUMPISMO

Wilders abre campanha prometendo acabar com a "escumalha marroquina" na Holanda
O candidato do Partido da Liberdade (anti-UE e anti-muçulmano, extrema-direita) promete "devolver a Holanda aos holandeses".
Público

sábado, 18 de fevereiro de 2017

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

HÁ SEMPRE UM MILLÁN-ASTRAY QUE ESPERA POR SI

Sob vaias, ministro faz discurso contra Raduan Nassar no Prêmio Camões

LER

OS PESADELOS INQUIETOS DE UM REACCIONÁRIO DA PIOR ESPÉCIE


Cavaco elogia Sócrates: "Não se deixou capturar pelo PCP e BE"

Jornal de Negócios

OS SEGREDOS DA JUSTIÇA

Vice-presidente de Angola acusado de corromper procurador português

Ministério Público português acusa Manuel Vicente de corrupção activa. Terá dado 760 mil euros a Orlando Figueira que encerrou duas investigações que o visavam por branqueamento de capitais.
Público

Directora do DCIAP confirmou arquivamento que terá sido pago por vice de Angola

A antiga directora do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), Cândida Almeida, confirmou um dos dois despachos de arquivamento que estão na base da acusação de corrupção ao vice-presidente de Angola, Manuel Vicente.
Público

A RECRUTA

Cruz suástica em praxe revolta Universidade do Minho
Reitor condena ação e presidente da associação académica vai reunir com os representantes do curso de Biologia Aplicada, que protagonizaram a situação.
Uma braçadeira com uma cruz suástica, usada por um estudante da Universidade do Minho (UM) durante uma praxe, está a indignar a comunidade académica bracarense. A ação, realizada por um grupo de alunos do curso de Biologia Aplicada, foi protagonizada há dias e tornou-se do conhecimento público depois de fotografias terem sido divulgadas nas redes sociais. (JN)

ROTINA

Tomás Correia e Montepio arguidos em negócios de terrenos

Negócio imobiliário em Coimbra está no centro das suspeitas do Ministério Público, que constituiu 14 arguidos, incluindo o Montepio. Em causa estão suspeitas de insolvência dolosa e de burla.
No final de Janeiro o Ministério Público constituiu arguidos os presidentes da Associação Mutualista Montepio Geral, Tomás Correia, do grupo industrial Martifer, Carlos Martins, do ex-presidente do Finibanco, Humberto Costa Leite, bem como outros gestores e sociedades envolvidas. Sobre todos recaem suspeitas de insolvência dolosa e de burla qualificada, emissão de cheques sem provisão, acordos estabelecidos com intuito de não serem cumpridos e venda de terrenos, sem que estes tenham sido pagos ao proprietário inicial, para liquidar responsabilidades em incumprimento de terceiros.
No epicentro da decisão do Ministério Público de Viseu está um negócio imobiliário de venda de 30 hectares situados à entrada de Coimbra, conhecidos por Colinas de Vale Meão. E que correu a par da Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada em 2010 pelo banco Montepio-Caixa Económica Montepio Geral, então presidido por Tomás Correia, sobre o antigo Finibanco, à data dos factos liderado por Humberto Costa Leite, do grupo Vicaima. Uma operação de 341 milhões de euros, 100 milhões acima das avaliações efectuadas.
Para além de Tomás Correia, o actual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral, que chefiou até 2014 o banco Montepio, e de Fernando Magalhães (Montepio), as autoridades apontaram outros arguidos: o ex-presidente do Finibanco, Humberto Costa Leite, o director financeiro Bessa Monteiro e Ricardo Henriques, os três ligados à Vicaima, com sede em Vale de Cambra. E ainda Carlos Martins, presidente da Martifer, e o seu colaborador Ricardo Henriques, bem como o empresário da Prestige José Pucarinho.
Público