quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

30

1 comentário:

Daniel Nobre Mendes disse...

FAZ HOJE TRINTA ANOS- A MORTE ABRAÇOU-O, A VIDA DEU-LHE O BRAÇO FORTE E AMIGO, A HISTÓRIA ESCANCAROU OS SEUS PORTÓES E A MÚSICA PORTUGUESA TEVE NOVOS RUMOS.

ZECA AFONSO PERTENCE AO PAÍS, AO MUNDO E À POSTERIDADE!

OFERECEU A JOSÉ DIAS COELHO, ALEX, ASSASSINADO PELA PIDE NUMA DAS RUAS PERTO DO LARGO DO CALVÁRIO EM LISBOA, A LETRA QUE SE SEGUE, MUSICADA POR SI- QUE SE MORDAM OS NAZIFASCISTAS, RAIVOSOS, E OS COMUISTAS DO PCP, DESPEITADOS, A QUEM NUNCA PERTENCEU PORQUE SEMPRE SOUBE ESTAR PRESENTE SEM FICAR REFEM OU HIPOTECADO POLITICA E CULTURALMENTE FOSSE A QUEM FOSSE!

ZECA AFONSO VIVE EM NÓS!!!



A Morte Saiu À Rua

José Afonso

A morte saiu à rua num dia assim
Naquele lugar sem nome pra qualquer fim
Uma gota rubra sobre a calçada cai
E um rio de sangue dum peito aberto sai

O vento que dá nas canas do canavial
E a foice duma ceifeira de Portugal
E o som da bigorna como um clarim do céu
Vão dizendo em toda a parte o pintor morreu

Teu sangue, Pintor, reclama outra morte igual
Só olho por olho e dente por dente vale
À lei assassina à morte que te matou
Teu corpo pertence à terra que te abraçou

Aqui te afirmamos dente por dente assim
Que um dia rirá melhor quem rirá por fim
Na curva da estrada há covas feitas no chão
E em todas florirão rosas duma nação