sexta-feira, 2 de setembro de 2016

OS VERMES 'EMPREENDEDORES'

Ex-espiões vendem serviços a políticos e empresários
Secretas privadas disponibilizam serviços a "políticos ambiciosos". Um dos dirigentes foi quadro superior do SIED
Ex-espiões estão a dar apoio a políticos e empresários no domínio das gestão e recolha de informações. O ex-quadro superior do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED), Rúben Ribeiro, é um dos dirigentes da Intellcorp uma empresa recém-criada que vende serviços de intelligence - uma espécie de secretas privadas - a "políticos com ambição de ascensão a qualquer tipo de poder e a políticos já estabelecidos", mas também a "empresários que querem estar preparados para os desafios com que se comprometeram". O DN sabe que além do partner Rúben Ribeiro, cuja foto e curriculum está bem à vista no site oficial, há pelo menos outros dois ex-espiões entre os colaboradores que foram do SIED e outro do SIS.
A divulgação da empresa, a primeira em Portugal com estas características e que assume a participação de ex-espiões ainda não foi feita oficialmente, mas segundo David Santos, cofundador, "vai naturalmente chegar a políticos no ativo e a partidos". Por enquanto, assinala "estamos ainda numa fase low profile , apenas divulgando aos nossos contactos privilegiados". Apesar disso já começou a atingir os seus potenciais clientes, como políticos no ativo. "Posso confirmar que já temos alguns políticos e empresários clientes, em Portugal e no estrangeiro", admite David Santos, cujos nomes não revela "por uma questão de confidencialidade".
Este dirigente não esconde, até exibe, as vantagens de ter como colaboradores ex-espiões. "O que eles fazem é a recolha de informações, não só através de fontes abertas, mas também através dos canais próprios e contactos que têm. Conseguimos em poucas horas saber tudo ou quase tudo sobre alguém", garante.

Exemplo? "Imagine-se uma pessoa com ambições políticas, filiado em determinado partido. Neste caso ter à sua disposição um serviço de intelligence significa ter do seu lado uma empresa que é capaz de responder com clareza, por exemplo, quem é quem dentro dos ambientes com quem este indivíduo se cruza no seu dia a dia. É a possibilidade também de abrir canais, com contactos estratégicos na política ou até na cúpula da empresa para que trabalha para que o seu caminho seja mais fácil". Ou ainda: "um empresário que tem vindo a sofrer bastante com a concorrência pessoal ou empresarial de outro indivíduo, ou de um determinado grupo de interesses. Um bom serviço de intelligence aplicado a este contexto permitirá ao nosso cliente tomar consciência das fragilidades da empresa ou do indivíduo alvo, de modo a que este possa ser ultrapassado sem mais problemas", é explicado no site.
DN

1 comentário:

Daniel Nobre Mendes disse...

O Verme-Machado de Assis, in 'Falenas'

Existe uma flor que encerra
Celeste orvalho e perfume.
Plantou-a em fecunda terra
Mão benéfica de um nume.

Um verme asqueroso e feio,
Gerado em lodo mortal,
Busca esta flor virginal
E vai dormir-lhe no seio.

Morde, sangra, rasga e mina,
Suga-lhe a vida e o alento;
A flor o cálix inclina;
As folhas, leva-as o vento,

Depois, nem resta o perfume
Nos ares da solidão...
Esta flor é o coração,
Aquele verme o ciúme.