sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

COERÊNCIA NA ABJECÇÃO




O PSD, capturado por esse grupelho neo-liberal (eufemismo modernaço para designar o neo-fascista), não se fez representar nas cerimónias oficiais de comemoração do 1º de dezembro, o que está a motivar a indignação de muita gente.
Pois bem, eu, que estou muito longe de poder ser considerado um nacionaleiro, louvo a atitude de PaSSos e seus apóstolos pela coerência demonstrada. De facto, quem protagonizou, ainda recentemente, a mais abjecta sujeição de Portugal a um país estrangeiro não deve exibir sinais exteriores de contentamento pela Restauração da Independência Nacional. Houve, há e haverá sempre uns miguéis de vasconcelos que cultivam a coerência na traição. É só isso. 


Sem comentários: