quinta-feira, 13 de outubro de 2016

UM JACQUES DORIOT À NOSSA MEDIDA


É má a ideia de acrescentar mais umas centenas de milhões de euros à despesa pública com pensões, num país que ainda está em laborioso processo de consolidação orçamental, que já tem uma das mais elevadas faturas de pensões no orçamento e que tem insistentes recomendações internacionais para reduzir essa fatura.
É também uma medida duplamente injusta: primeiro, não se vê razão para as pensões subirem quando os salários em geral continuam congelados; segundo, o adicional das pensões vai incidir sobre os contribuintes no ativo que, quando chegar a sua vez, não vão beneficiar das pensões que agora são chamados a financiar.
O facto de os pensionistas serem uma apetecível constituency eleitoral não justifica nem o ónus orçamental nem os desrespeito das regras da equidade horizontal e intergeracional.
Se este é um preço a pagar pela "geringonça" (ver post anterior), então é um preço demasiado elevado.
Vital Moreira

1 comentário:

Daniel Nobre Mendes disse...

académica e merecidamente distinto, social e politicamente das esquerdas mais torcionárias a que disse "não" para se enfiar e trepar no PS, deputado na europa, esposo de ministra do actual XXI governo, o comilão desfaz-se agora em água podre e benta como o césar das neves.

já se esqueceu das dificuldades que teve e do velho quarto numa miserável república de coimbra!...